Ecos do Exílio

exilio2

Esta entrada foi publicada em Mundiça. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas para Ecos do Exílio

  1. Sanzio disse:

    No dia que o Djavan/Caetano Veloso/Chico Buarque fizer um manifesto desses, talvez….talvez alguém realmente abra os olhos para o que está acontecendo.

    Se Renato Russo ainda estivesse vivo, ele já tinha chutado o pau da barraca faz tempo.

    Só vejo vários artistas bons na beira do desespero por querer ser ouvido, mas não têm pessoas disponíveis para isso.

    Enquanto isso é só farra, pinga e foguete.

  2. Rafaela disse:

    Eu vejo isso a todo o tempo. Tenho 17 anos e meus pais sempre me ensinaram a pensar. Como diz Monteiro lobato é o famoso “bicho toda gente.” As pessoas vivem em um complexo de ondas, se jogam e deixam o fluxo levar. O povo “Tá” esquecendo o significado de “ouvir musica”. É só mexer a bunda e pronto. Teve batuque, opa, todo mundo “tá dentro”. Enquanto isso, PESSOAS super talentosas, cheias de coisas reais para dizer vivem nas margens tentando fazer uma parcela, ou melhor, parcela é muito, uma dezena de pessoas que ainda pensam os ouvir. 😥 😐

  3. thamires disse:

    O povo se esquece do que é a verdadeira qualidade musical. Infelizmente a música vive um exílio em que somente o que é ”agradável” ao ouvido do povo é bom, a modinha sempre está em alta , porém ninguém para para refletir sobre a complexidade disto.
    Cresci ouvindo músicas que me levaram a pensar na sociedade e nas coisas ao meu redor, músicas com LETRAS e MELODIAS sensacionais !!! O mal do povo de hoje em dia é achar que TUDO TEM QUE VIRAR MÚSICA quando não é bem assim e os assuntos mais importantes não são valorizados assim como os artistas que escrevem músicas que não estão nas rádios pois não são estão nos TOPOS das paradas musicais.

    Sinceramente ouvir música hoje em dia está triste demais e saber que os verdadeiros artistas estão a mercê de tudo isso é lamentável demais , literalmente o mundo da música é um mundo cão… 😕 🙁

Os comentários estão fechados.